Colaboradores: pessoas fundamentais para a construção da nossa história

novembro 25, 2020

A Pastoriza conta, atualmente, com 11 Departamentos, e integrados a estes, 46 colaboradores que estão em ação, seja na Produção, preparando os doces, seja no Comercial realizando vendas e pós-vendas. Desta equipe, na qual cada um tem papel fundamental para o desempenho de excelência da empresa, foram selecionados 10 profissionais e todos por um mesmo motivo: o tempo de casa. Entre 8 e 22 anos de trabalho, eles colecionam memórias e experiências que, hoje, em comemoração aos 35 anos, são contadas para mostrar a importância de estabelecer vínculos de confiança e respeito entre empresa e colaboradores. Em cada pessoa aqui mencionada está registrada parte da história que começou em 1985 e continua sendo escrita, inclusive, neste momento.

A história da Marlene Costa de Paula começou a ser escrita ao lado da Pastoriza, em 1998, quando ela teve uma atitude de empoderamento e venceu as barreiras que a impediam de trabalhar fora de casa. “Sai para procurar emprego com uma amiga, depois de fazer uma aposta que era capaz de trabalhar. Deixei meu currículo na Pastoriza e em seguida fui chamada. Comecei a trabalhar e provei que sou capaz”, revela Marlene que venceu a aposta e está na empresa há 22 anos.
Marlene atua no setor de Produção da Pastoriza, na função de serviços gerais, e está enraizada porque gosta do que faz, do corre-corre, da agitação, sente-se bem com o ambiente de trabalho, fez grandes amizades e aprendeu muito: “Cresci profissionalmente e como pessoa. A Pastoriza me educou”.
Quando entrou na fábrica para ajudar a preparar os doces, época em que os processos ainda eram totalmente manuais, teve como professoras as primeiras cozinheiras da Pastoriza, a sra. Natalina e a sra. Derci. “Aprendi com cozinheiras de mão cheia a fazer os doces, elas eram exigentes e faziam tudo com amor”, recorda emocionada.
Depois de tantos anos de trabalho, muitas transformações e aprendizados, o comprometimento continua o mesmo: “A gente faz esse doce para quem não conhece a gente. E apesar de ninguém saber quem é a Marlene, meu nome está em jogo. Por isso tenho que fazer bem feito”, afirma Marlene.

A segunda pessoa com mais tempo de casa, nesta seleção de 10 profissionais, também é uma mulher. Milene Roberto Leme entrou para a Equipe Pastoriza em 1999.
As primeiras páginas da história junto com a Pastoriza, Milene começou a escrever no setor de `Produção, na seção de Docinhos, onde, segundo ela transbordava amor: “Quando eu entrei era tudo feito com as mãos, e como os docinhos eram muito sensíveis, a gente fazia tudo com muito carinho e amor”.
O tempo passou, exatamente 21 anos, e o trabalho continua. Atualmente, Milene é auxiliar de PCP e compartilha com alegria a possibilidade de crescimento que teve e a relação construída com a empresa e com os colegas: “O trabalho é gostoso, existe uma comunicação com toda a equipe, e uma relação de amizade. A cada dia eu procuro dar o melhor de mim”.

Outra grande mulher integrada ao time, ingressou em 2001 e continua firme e forte na empresa. Márcia Souza Gazito participou de uma entrevista, na época, para a vaga de analista de faturamento, orientada pela tia que havia se candidatado e não pode comparecer: “Vim para entrevista no lugar da minha tia e fui contratada. Fiquei tão feliz, que fiz a entrevista numa quinta-feira e comecei a trabalhar na segunda seguinte”, conta com entusiasmo.
Márcia permanece há 19 anos na empresa na função que traz satisfação e aprendizado constante: “Gosto de mexer com papéis, com contas, sem contar que aprendi muito sobre parte fiscal e logística. Faço o que gosto, desde sempre”.
E esta realização fica completa com o relacionamento construído com a equipe de trabalho e com os parceiros da empresa. “Cresci muito como pessoa, na convivência com outras pessoas. Aqui na Pastoriza você aprende, você ensina, não tem rivalidade. O ambiente é acolhedor. Somos tipo uma família”, garante Márcia.

Em 2004, Adilson Marques da Silva entrou na Pastoriza, e hoje é o homem com mais tempo de casa: 16 anos de trabalho.
Responsável por supervisionar as caldeiras da fábrica e manter a produção dos doces a todo vapor, Adilson trabalho no setor de Caldeira, e é caldeirista. Porém, a história do profissional dentro da Pastoriza teve início nos tachos, no preparo dos doces.
“Tive vontade de entrar na empresa, depois tive vontade de crescer e consegui”, explica Adilson que teve a oportunidade de realizar o curso de operador de caldeira, com o auxílio da Pastoriza, e conseguiu conquistar a vaga que queria.

A próxima história é da Cirlei Maria Santana que faz parte da Equipe Pastoriza, desde 2008. Ela conta com emoção a determinação que teve para conquistar a vaga: “Quando entrei, minha filha estava com 2 anos e eu estava amamentando. Mas eu queria muito trabalhar, então de dia me dedicava ao trabalho e a noite cuidava dela”.
Logo que entrou na fábrica, no setor de Produção, Cirlei fazia serviços gerais: “Comecei descascando abóbora, depois fui para o tacho”, função que cumpriu por 6 anos para então assumir a função de analista de produção. “No começo tive medo de aceitar a proposta. Mas venci esse medo e passei a confiar em mim. Achei que se me deram a oportunidade é porque eu era capaz” revela a profissional.
Cirlei está há 12 anos na Pastoriza. Durante este período, passou a integrar a Brigada de Incêndio, fez vários treinamentos oferecidos pela Pastoriza, inclusive o curso de Empilhadeirista já que a diretoria fazia questão em ter uma mulher com essa capacitação.
Ao ser indagada sobre os motivos de estar na empresa há tantos anos, assegurou: “A Pastoriza é uma mãe, as pessoas aqui fazem parte da minha família”.

Também na casa, há 12 anos, Helenice Aparecida Bezerra começou a trabalhar na Pastoriza em 2008, quando acompanhada de uma amiga, entregou o currículo para tentar uma vaga na Produção. Conseguiu a vaga, e até hoje, veste a camisa com orgulho, tanto pela profissão quanto pelas pessoas: “Amo o trabalho que faço e faço o doce com muito amor. Valorizo as amizades que fiz, aqui um ajuda o outro, somos uma família”.
Helenice conta que quando entrou na Produção, na função de serviços gerais, não sabia como fazer doces e as professoras ensinaram o passo a passo com total dedicação: “Entrei e não sabia nada. Aprendi tudo aqui com minhas professoras que faziam tudo com amor. Elas me acolheram”, partilha com emoção.
Agora, é Helenice quem acolhe as pessoas novas que chegam ao setor: “Quando chega alguém novo, eu acolho e ensino com muito amor”, a exemplo das professoras.

E parece que 2008 foi marcante para essa turma antiga da casa. Nesse ano, José Maria de Souza também passou a fazer parte da equipe. Pedreiro de profissão, fez diversas melhorias na fábrica, desde a construção do refeitório até a estrutura para montagem da caldeira.
“Não importa o serviço, tem que se dedicar de corpo e alma. Isso eu sempre fiz. Tudo que me passam eu faço”, fala com convicção o Zé, como é chamado pelo pessoal. E realmente, tijolo por tijolo, ele ajudou a construir a história da Pastoriza.
Na empresa há 12 anos, além de pedreiro, trabalhou na expedição e foi ajudante de caminhão. Até que fez o curso de Operador de Caldeira, por intermédio da Pastoriza, e tornou-se integrante do setor de Caldeira.
Atualmente na função de caldeirista, mostra zelo pelo trabalho e alegria em fazer parte de uma empresa que com 35 anos venceu muitos desafios e continua ativa: “Vivemos momentos difíceis mas a Pastoriza superou todos”, finaliza com esperança em dias melhores.

Março de 2010, foi a vez da Marilda Aparecida Carvalho Lucas entrar na Produção, para realizar serviços gerais. Há 10 anos na Pastoriza, ela aprendeu e hoje ensina, a importância do trabalho em equipe.
“Quando entrei na Pastoriza, cresci com ajuda dos meus colegas. Hoje, quando um novato chega, eu abraço e oriento também. Explico que primeiro é preciso aprender e depois correr. Não faça nada com dúvida, digo sempre”, explica Marilda, com todo o cuidado.
Marilda participa do processo de envase, na Produção, e está sempre disposta a contribuir com os colegas no demais processos, tanto que carrega valores que os demais compartilham também: “Nós trabalhamos na linha de produção, e para a empresa ganhar depende de produzir. Por isso, temos que ter qualidade, higiene e agilidade”.
Sobre a possibilidade trabalhar na Pastoriza, Marilda valoriza as amizades que construiu, o aprendizado que conquistou e a solidariedade que vive dia a dia e resume tudo a uma palavra: “Gratidão. Dobre o joelho e agradeça”.

2010 também foi o ano de admissão da Rebeca Adriana dos Santos, cuja trajetória começou na seção de Docinhos, aos 26 anos, já com o lema: “Tem que ter amor em tudo que faz”, diz confiante.
Atualmente, Rebeca integra a equipe do processo de envase e os quase 10 anos de empresa contribuíram bastante para o crescimento: “Nunca imaginei que iria aprender tanta coisa, me surpreendi comigo mesma e me sinto orgulhosa”, confidencia com brilho nos olhos.
Rebeca valoriza muito o aprendizado que conquistou na Pastoriza, e que a ajudou a construir a vida profissional. Ela fala também, com carinho, das amizades que se fortaleceram em tantos anos de trabalho.
Quando questionada sobre uma mensagem que gostaria de deixar para as pessoas que estão empregadas e desmotivadas, e até mesmo para aquelas que estão procurando um emprego ela respondeu: “Acredite que é capaz de cumprir cada responsabilidade e tenha amor por aquilo que faz”.

O décimo da lista dos 10 mais velhos de casa é o Everaldo Luiz Gomes, mais conhecido como Café, apelido que traz desde a infância, da escola.
Café conheceu a Pastoriza através de um amigo que trabalhava na empresa e confiante que conseguiria a vaga para a Produção, entregou o currículo, foi selecionado e começou a trabalhar no dia 22 de março de 2012.
A história desse profissional começou na seção dos Docinhos, depois seguiu para os Tachos. Passou pela Expedição e atualmente, ele está no processo de rotulagem. “Em qualquer lugar que seja, a gente tem que fazer o melhor, fazer as coisas pelo bem de todos”, com essa consciência de responsabilidade e comprometimento, Café permanece na empresa há 8 anos.
Ao ser indagado sobre o motivo de criar raízes e estar a tanto tempo na empresa, Café respondeu sem hesitar: “A Pastoriza é um lugar gostoso de trabalhar, aqui encontrei amigos”.

Finalizando esta seleção de depoimentos, nada melhor que agradecer a todos pela participação e total disposição em compartilhar experiências.

Essas pessoas são exemplos de força de vontade, resiliência e persistência e estão acompanhadas de muitos outros profissionais que também são determinantes para o sucesso da Pastoriza, para a continuidade de uma história sobre a qual ainda teremos muito para contar.